VÍDEO DA LAVA JATO SOBRE COAF. Sofismas e mistificações

Breve análise dos argumentos expostos pelo procurador MPF, Deltan Dallagnol, e por  juízes identificados com a Operação Lava Jato.

 

O vídeo tenta passar a ideia de que devolver o COAF para a área econômica e a tentativa de limitar o poder de investigação dos Auditores Fiscais faz parte de um mesmo movimento. Usam o surrado argumento de que isso interessa aos que defendem a corrupção. Esse argumento mistificador foi usado à exaustão por ocasião da campanha pelas dez medidas contra a corrupção protagonizada por uma parte dos procuradores da Lava Jato, que na essência era uma tentativa de blindar essas autoridades contra qualquer tipo de controle, colocando-os acima do bem e do mal.

 

Além de ser um argumento maniqueísta  do tipo quem está contra mim defende corrupção é também uma manipulação grosseira dos fatos. Quais são os fatos?

 

1 – A emenda que ameaça tirar prerrogativas dos Auditores Fiscais não guarda nenhuma relação com a posição do Comissão do Congresso que não aceitou a transferência do COAF para o MJ. A tentativa de vincular os dois temas tem o propósito de fazer os Auditores Fiscais  aceitarem a condição de autoridades auxiliares e caudatárias dos interesses dos procuradores do MPF e da parcela do judiciário identificada com o projeto do ministro Sérgio Moro. Colocam tudo no mesmo saco para que os Auditores Fiscais abram mão de seus interesses, e do poder que representa o COAF no Ministério da Economia, para defender os interesses das autoridades dos outros órgãos.

 

2 – As manifestações do procurador e dos juízes são de que estão tentando tirar o COAF do MJ do Sérgio Moro. É o contrário. Desde que foi criado, o COAF sempre funcionou no Ministério da Fazenda. A transferência do COAF para o MJ ocorreu como uma das condições da negociação entre Sérgio Moro e o presidente Bolsonaro quatro dias após a eleição presidencial. Portanto, foi fruto de uma decisão política e não teve como base nenhum estudo técnico que justificasse a transferência. O único objetivo era empoderar o ministro Sérgio Moro e a operação Lava Jato. Se o COAF no Ministério da Fazenda fosse um problema, operações como a Lava Jato não teriam sido possíveis. Portanto, a própria existência da Lava Jato desmente o argumento exposto no vídeo.

 

3  Um dos argumentos expostos é o de que o COAF tem preponderância para a política de segurança pública e justiça, e que os outros aspectos seriam secundários. É falso. Se isso fosse verdade, a maioria dos países localizaria o órgão na área de justiça e segurança pública. Mas o que acontece é o contrário. Os órgãos de inteligência financeira em todo mundo seguem a tendência de localizar-se nos ME (MF) e congêneres . A última das nações desenvolvidas que localizou o órgão de inteligência financeira no MJ (ou equivalente), a Alemanha, para se adequar às boas práticas mundiais, mudou o órgão para a Fazenda (ou congênere).  

(https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/03/mudar-o-coaf-vai-na-contramao-do-que-acontece-na-europa-diz-pesquisadora). Isso ocorre porque os crimes de lavagem de recursos e correlatos tem a sua centralidade na economia. As autoridades que monitoram os movimentos da economia estão lotados no Ministério da Economia. Quem tem competência para fazer as análises, porque tem acesso às informações sigilosas fiscais e bancárias, são os Auditores Fiscais. A localização do COAF no MJ é anacrônica. Por fim, esses órgãos de inteligência financeira, em todo mundo,  não foram criados para fins de persecução penal. Essa função é apenas subsidiária, não é a principal função do COAF como querem fazer crer os procuradores e juízes da Lava Jato.

 

4  – A juíza Gabriela Hardt argumenta que os dois ministros envolvidos (Moro e Guedes) não tem restrições para que o COAF fique no MJ. Sim, e daí? Essa fala nada mais é que uma simples constatação, mas não aponta qualquer razão para a localização do COAF no MJ. Diz a juíza ainda que todos os técnicos dentro do COAF concordam que o órgão fique no MJ. Quem fez esse levantamento? É público ou só a turma da Lava Jato tem acesso  a esses levantamentos? Mesmo que o levantamento existisse, o que significa? Que essa vontade dos técnicos substitui a necessidade de estudos e argumentos  consistentes?

 

5 -Argumentam que o COAF no MJ tem o apoio e a estrutura adequados. Qual a diferença disso se o COAF voltar a funcionar no Ministério da Economia? Não é o mesmo governo Bolsonaro? Isso também não é argumento. Se o governo quer estruturar melhor o COAF, tanto faz onde o órgão esteja localizado.

 

Portanto, passados sete meses desde que Bolsonaro prometeu o COAF para Sérgio Moro, em 1° de novembro de 2018, não há nenhum argumento ou estudo técnico que justifique a localização do COAF no MJ. Pelo contrário, a análise técnica (não política) indica que o lugar correto do COAF é no Ministério da Economia.

 

 

Dão Real Pereira dos Santos 

Wilson Luiz Müller

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s